segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Um sonho e um aviso?

Sou um ser humano que necessito falar urgentemente e esclarecer as coisas pra me sentir melhor. Nada mais excitante que o sentimento que emana minha alma depois de uma boa conversa.
Aconteceu. Não o que eu desejava mas aconteceu. Selamos a paz, se assim posso dizer.
Talvez se eu fosse uma bruxa um pouco melhor e mais eficiente, faria as coisas virarem ao meu favor, mas preferi deixar nas mãos daquele que sempre está comigo.
Hoje a noite eu conversei com um anjo. Tenho certeza que foi ele que o mandou no lugar. O estranho é que eu não via o rosto do anjo e ele tinha uma voz muito familiar...
Contei exatamente como foi a conversa. No final ele me disse que faltava alguma coisa. Um pedido de desculpas. Que eu não havia feito. Acordei com aquela frase martelando e lembrei que realmente não o fiz. Pois bem, fiz o que meu coração mandou. Pedi as devidas desculpas.
E agora o resto é com ele la de cima. 

Adriane Assis

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Sonhar com joaninhas...



Este sonho mostra que você receberá boas notícias. Sonhar com uma joaninha é anúncio de felicidade e harmonia. Várias joaninhas: um segredo será revelado.


Pode ser coisa boa ou coisa ruim... não interessa!
Prefiro pensar nas coisas boas!!!
Que venham as boas surpresas!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

E o Natal?

Olha, nunca fui de gostar do Natal. Sempre as piores coisas acontecem comigo na véspera do Natal. É avó passando mal, é briga com amigo, é traição, é namoro que termina, etc, etc, etc...
Eu até gostava... mas depois que ganhei uma certa idade, a data que era pra ser comemorativa se transformou em um pequeno desastre.

Quando eu era pequena, vivia assistindo aqueles filmes americanos que a família toda se reúne, faz uma ceia, troca presentes e reza juntos... Na casa de minha avó, no interior de Minas era assim. Todos se reuniam em uma mesa grande, comiam, bebiam, dançavam... Não trocávamos presentes porque preferíamos comer bem e comprar presente pra família grande requer riqueza, mesmo assim a felicidade era total.
Mas meu sonho sempre foi juntar todo mundo depois de grande. Os tios já casados, os primos namorando, todos os netos e parentes próximos... Depois que passei de 15 anos, isso não mais aconteceu.
Enfim, depois de crescidos, nos distanciamos. Cada um caça um rumo diferente e a família se dissolve nessa época.

Se não bastasse nunca ter conseguido realizar meu 'sonho natalino americano', meus piores pesadelos aparecem sempre pouco antes do Natal. Fico depressiva e melancólica. A angústia invade meu peito...
A última agora me deixou extremamente abalada. A pessoa com quem pensei passar o melhor Natal da minha vida (depois da infância), me deu o pé na bunda, e pior, eu tinha feito tudo por antecipação... comprei um dos presentes, fiz cartões de Natal (um físico e um virtual), escrevi uma carta linda e jurei (também por antecipação) que não mais brigaria com ele por bobagens. Estava realmente disposta a passar uma borracha por cima das brigas que duraram um mês, pra poder retomar tudo aquilo que foi bom em nosso namoro, as idas ás praças, os churrasquinhos, a sorveteria, a sinuca, as mensagens, os bons e velhos papos que duravam a madrugada toda, os telefonemas, os recados fofos nos sites de relacionamento, os cafunés, a dormida no colo, os abraços confortantes e outras 'cositas más'.

Pra completar, ganhei uma gripe que me derrubou e me deixou mais carente ainda. No momento em que me senti mais fraca, ele não estava do meu lado pra me dar colo... Senti uma falta danada. Mais do que em todos os dias. Era ele que me trazia calma quando algo de ruim acontecia... ele era a minha calma, a minha paciência... E agora não está mais aqui. E sinto que não vai voltar.

Por fim, hoje acordei um pouco mais disposta... A febre passou e já consigo engolir a comida. A carência é a mesma, mas penso que DEUS há de querer que o melhor aconteça. Afinal, apesar de eu não gostar, é Natal.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Você já sentiu?

Vc já sentiu um aperto no peito e uma angústia sem saber o que é?
Já sentiu uma vontade de morrer?
Já sentiu vontade de conversar com Deus frente a frente?

Acordei com essa sensação terrível hoje, como se algo que eu não gostasse fosse acontecer.
A última vez que senti isso, a notícia que tive não foi muito boa. Passa logo, passa logo. Preciso que passe logo.
Adriane Assis 

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Hoje eu acordei...

Hoje eu acordei sem esperança.
Tive uma conversa muito boa com ele pelo MSN hoje de madrugada, mas sinto que ele está irredutível, confuso demais pro meu gosto. Bem frio até. Bem no tipo "não quero mais você mesmo! Some!"
Enfim, apesar dos pesares, selamos a paz. Acho. Pelo menos da minha parte, estou "conformada". Melhor não manter contato pra deixar ele pensar direito. Acho melhor. Ele terminou. Ele não deu esperanças. Ele quis assim. Vai ser do jeito dele.
Não dá pra ficar dando murro em ponta de faca. Já to ferida demais.

Confesso uma coisa:
Hoje, eu não quero ninguém além dele. De verdade, lá no fundo do meu coração, faria qualquer coisa pra ter ele de volta. Tipo aquela música: "Por você eu dançaria tango no teto, eu limparia os trilhos do metrô..." Claaaaaaaaro que eu não deixaria de ser a Adriane. A pessoa de personalidade. Não da pra mudar. Mas da pra ceder. Pra moldar. Isso é fácil. Já fui moldada várias vezes.

Eu tenho medo sabe?
Não tô libidinosa pra ficar e me relacionar com ninguém... mas eu tenho muito medo de me relacionar e ai sim ele não querer mais voltar. Sentir mais raiva ainda. Porque eu percebi que ele tem muita raiva guardada. Muita mágoa. E quando estamos magoados, nenhum sentimento de amor resiste. Pode até voltar o sentimento, mas ele sempre vem depois de uma conversa ou de um tempo sozinho...

Queria que a situação fosse mais concreta. Que ele se decidisse (rápido) . Fosse curto e grosso comigo.
Queria que ele chegasse perto de mim e me matasse com as palvaras:

"Segue sua vida. Se relacione com quem quiser. Não vou ficar com raiva e isso não vai mudar meu sentimento por você se tivermos que voltar." ou "Agora não tem mais jeito."

Mas o melhor seria um buquê de flores ou um girassol. Um cartão. Um Eu te amo e um volta pra mim?!

Sonha Adriane... Sonha....
Porque sonhar não paga.

Adriane Assis

domingo, 13 de dezembro de 2009

É demais pra você?

Se isso é muito chato pra você.
Pare de entrar aqui.
É aqui onde me sinto livre pra falar o que eu quero, onde eu desabafo.
Onde eu me sinto sozinha e íntima com meus pensamentos.
É onde eu vomito minhas palavras e pensamentos mais ridículos e idiotas.
Então, se isso é demais pra você, por favor,
dê licença. 


Adriane Assis

Depois de uma bebedeira...

Bem, acordei de ressaca. Ressaca moral também. Mas resolvi que não vou apagar o post de hoje de madrugada. Foi de verdade. Foi de coração.
Estar bêbada tem suas vantagens. A gente fala a verdade, sente a verdade. Pelo menos é assim pra mim. Pelo menos eu não chorei bêbada na frente de ninguém. Fiquei parte da noite rindo de coisas idiotas e assuntos dos quais eu não estava entendendo, principalmente por não estar prestando muita atenção. Eu só prestei atenção quando o assunto virou o Jô Soares. E falar de Jô Soares me lembra quem eu não quero lembrar. Então nessa parte eu dei um grito: "Não vamos falar de Jô, por favor!"Quase rimou. Há!. Rimas não... sou péssima em rimas.
Mas eu ri muito e depois que o fogo passou fiquei mais triste ainda. Não dá pra ficar seguindo as dicas desses meus amigos que acham que tudo se resolve na bebedeira.
Gosto de beber quando eu to feliz... Pior é voltar pra casa. Chegar e ver o sofá vazio. Poder ficar até tarde na sala porque não tem ninguém. Não ter ninguém pra te segurar e mandar você falar mais baixo e não te deixar entrar no PC pra escrever bobeiras.
Então devo dizer que eu não bebo mais enquanto a situação não amenizar.
Adriane Assis

Desabafo de gente tonta...

Começo esse texto sabendo que por mais ridícula que eu esteja sendo, mesmo tonta e não enxergando direito as letras do teclado, eu o escrevo de todo coração. Dizem que tonta eu sou mais sincera. Eu já sei, mas resolvi testar com palavras.

Mas por que me achar ridícula?
Eu sei bem... Quando você conhece alguém, quando você sente nesse alguém a esperança de se sentir viva, quando você se descobre apaixonada por esse alguém você se torna a pessoa mais ridícula do mundo. Seu olhar muda, você encontra conforto e paz no seu parceiro, você se sente acolhida, coloca várias fotos no orkut, quer mostrar a todos o quanto ele é lindo e o quanto ele te faz feliz...
Pois bem. Amar é se tornar ridículo. Ouvi isso hoje e estou repetindo aqui.
Aliás, ouvi várias baboseiras por hoje, ontem, com certeza amanhã... Tipo: " Ele não te merece!" , "Ele te traíu e ficou com a consciência pesada, por isso terminou!", "Isso é desculpa, porque ele já queria terminar!", "Ele quer ficar com outra!"

Sei lá... é difícil acreditar e mais ainda, chato.
É chato porque você passa a se perguntar se isso que te dizem é verdade.
Se eu, Adriane, acreditei no argumento de que ele não me ama mais, que não sente mais o que sentia antes, é porque me pareceu sincero. Ele não falava nada, mas quando resolveu falar, não ia mentir. Acho.

Mas de verdade?
Fico me perguntanto porque acabou esse amor e se ele realmente procurou motivos e não os achou pra gostar de mim, pra querer estar comigo...
Será que desagatou tanto assim, ou é só raiva que ele tem e vai passar? Eu deveria ter implorado pra ele não ir embora? Não. Tenho amor próprio. Chorar na frente dele já foi suficiente. Porque implorar? Mendigar amor? Péssimo.
Será que essa dúvida do amor que ele sentia por mim, realmente foi sanada? Porque ele chegou nessa decisão tão negativa pra mim?
Lembro que ele não nos deu oportunidade. Só empecilhos. Não queria me encontrar. Tentava sair e ele sempre estava sempre ocupado.
Sinto que da parte dele não houve tentativas.
Ele disse em alto e bom som: "Não quero ser falso comigo e muito menos com você. Não sinto mais o que eu sentia antes."

Mas que porra é essa então? Que merda de amor foi esse?

Será que foi tão fácil esquecer o meu cheiro que ele tanto falava que era bom?
Será que foi tão fácil esquecer minha pele que ele beijava quando fazíamos amor? As minhas mordidas no bumbum dele (esse bumbum, não dá pra esquecer) ?
Será que foi tão fácil esquecer minhas mãos fazendo carinho na cabeça dele?
Será que foi tão fácil esquecer meus beijos? Minhas lambidas nas covinhas do rosto?
Será que foi tão fácil esquecer os momentos de tesão (que no caso dele eram constantes) ?
Será que foi tão fácil esquecer que eu sempre o estimulei a crescer?
Será que é fácil não sentir saudade de mim quando ele estiver triste, sozinho?
Essas coisas virarem apenas lembranças na mente dele também é foda. Somente lembrar e não sentir saudade.... foda ao quadrado. Ai sim é que não tem jeito.

Sei que o amor não se baseia só nesses itens. Mas eu não me conformo.
A gente não se deu a chance de estar bem. Não se deu. Vou frisar. Da parte dele não houve tentativas. Repito. Não houve. Foi só sexo. Só. Sexo bom, sexo que faltava por falta de lugar e dinheiro. Sexo que me deixava louca.

Aliás. No dia que conversamos no metrô, que ele sentou entre minhas pernas, achei que ele estava voltando a ser como era... a agir como antes...
Alguém que deitava buscando abrigo em meu colo... Procurando carinho... Conversando sobre nada que fosse chato. Será que ele colocou esse momento no teste do amor dele?
Foi lindo... foi como se estivéssemos na praça da Liberdade encostados no banquinho trocando carinhos... conversando.
Conversas? E que conversas! Eram ótimas. A gente falava de tudo. De todos. Será que isso não faz falta?

Acredite.
Pra quem termina é bem mais fácil. To tentando achar argumentos inúteis em minha mente embaralhada pra curar o buraco no meu peito. E tudo roda.
Estou tentando captar a mensagem todos os dias:
"Acabou Adriane! Acabou! Não tem volta. Ele disse que não gosta mais de você! Ele não te ama mais porra! Entende isso! Entende que você não faz falta!"

O pior é tentar seguir todas as dicas dos meus amigos. É o telefone que não pára de tocar, muitos convites pra sair, "Tente sair, se divertir! Ocupe sua cabeça! Leia livros! Veja filmes! Sai com a gente! Tente não sentir ciúmes dele. Tente não pensar que ele está com outra. Tente não pensar que ele não gosta mais de você. Tente fazer parecer que ele morreu. Delete-o do orkut, do MSN, do twitter. Ele disse que ficaria chateado se você fizesse isso. Mas ele não pensou em você!, Não pense que ele pode beijar outra, chamar outra de Pretah, de boca grande (aliás, desses apelidos eu não quero ser chamada nunca mais por outra pessoa!) Fique com outros. Esqueca-o nos braços de outro." E blá, blá, chocolate nestlé... e blá.

Não é fácil. E eu não vou seguir dica nenhuma. Vou seguir meu coração. Acreditar que um dia vou ser feliz de novo. Não é o fim do mundo Adriane! Já aconteceu antes. Você já se superou uma vez quando o conheceu. Arrume outros beeem melhores. Fique magra, linda, gostosa!
Pense que ele deve estar feliz por ter terminado, e você deveria estar do mesmo jeito.

Pense assim: Ele deve estar la, dançando desengonçado, jogando sinuca com os amigos. Ele deve estar dormindo bem, se alimentando direito, beijando outra ou outras, dormindo de conchinha com outra mulher, fazendo sexo com outra... cheirando o cangote de outra, dormindo e puxando outra pra perto dele na cama... Sentando no banco da praça com outra, Bagunçando o cabelo de outra, dizendo para outra que está feliz, dizendo que foi o melhor a ser feito, dizendo que você o atrapalhava e que não o fazia feliz. Dizendo que outra mulher é linda e escrevendo na mão dela "A Srta. quer ficar comigo?", amando outra, querendo outra e te achando feia, chata e infeliz.Rindo da sua cara. Rindo com os amigos da faculdade e especialmente fazendo com que eles te achem ridícula, chata, mal amada, idiota e que eles estejam botando pilha pra que ele fique com a menina que você mais odeia. Ou com outra menina qualquer. Fazendo um menáge! Tem coisa pior? Pensa assim que você desencana! Pensa assim que te faz sentir raiva e depois ódio. Aliás, o ódio é o sentimento mais próximo do amor.... ai vc vai sentir tanta raiva que vai esquecer esse amor. Simples? Não. Isso é massacra Adriane! Finja que você está vivendo a saga Crepúsculo... O Edward terminou com você, que é a Bella. Ai ele te deixa e além disso diz que você não é mulher pra ele. Péssimo. E então, com isso, ele ainda diz que vai ser como se você nunca o tivesse conhecido e que será como se ele não tivesse existido.

Fácil? Não. Mas é um belo dramalhão. Até gostei. Quem sabe eu não conheça o Jacob brasileiro.. ahahaha. Péssimo. Sim. Péssimo. Prefiro fazer de outra forma.
Vou é rezar pra Santo Antônio me trazer um novo amor rápido. Inclusive, virei a imagem de cabeça pra baixo e o pedi pra me trazer o meu verdadeiro amor, rápido. Ou então fazer a dor passar rápido.

De verdade?
É um momento muito difícil a ser enfrentado. Dói, dói demais... Falta o apetite, falta o sorriso, falta aquela alegria de saber que estaria ao lado da pessoa tão querida que está fazendo falta... O cheiro, a voz, a pele... Mas pensa só: Você viveu sem essa pessoa até o dia em que a conheceu... pq tanto drama?
Pois é, mas tenho de estar decidida. Se ele terminou, é porque ELE realmente não acreditou na gente, no nosso amor. Então é bola pra frente.

Então é isso. Vai passar. Vou conhecer gente nova. Ir a outra colação de grau e conhecer outro garotão loiro de olhos claros... Nããoooo! Dessa vez pode ser uma missa de formatura e um japinha! Há! (Falta de criatividade é o "ó").
O pior só vai ser... Acordar amanhã de ressaca, uma vergonha danada por ter postado esse texto aqui, asaber que o assunto principal vai ler, ficar com dó e achar vergonhoso por mim. Vai pensar o quanto eu estou deprimida e dar graças a Deus por não estar mais comigo. Ahahaha. Péssimo. Mas, liguei o fodas e prometo esquecer. Pelo menos fingir. Mais um dia eu canso de fingir e começo a me sentir viva de novo. Vai dar certo. Eu sei que vai.

Adriane Assis

Bem dizem que quando eu to triste eu escrevo mais. Dessa vez eu acho que exagerei.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Nada a declarar

Eu que sempre gostei de falar muito, quero evitar declarações.
Perguntas, perguntas e mais perguntas.
De todos.
De Pai e de Mãe. De irmã. De Sogra. De amigos. De amigas. De invejosos.
Perguntas constantes.
Onde? Como? Quando? Por que aconteceu?
Além das perguntas e da falta de vontade de soltar a minha resposta crua,
ainda tenho que digerir exclamações em forma de voz ou de imagem: Oh! Não acredito!
Como assim? De uma hora pra outra?
O porque eu não sei.
Só sei que nada tenho a declarar.
Adriane Assis

Música...

Playlist Atualizado \o/ !

Dizeres

"Quando você inicia um relacionamento são 30 degraus para subir,
mas quando termina é só uma rampa."


(Por Marcelo Supla)

Entre o sim e o não

Eu amo demais. Não vejo pecado nisso, para amar tem que ser inteiro. Sempre fui do Bloco do Exagero. De emoções e tudo mais. Isso traz uma tristezinha breve, não nego. Pra amar tem que ser intenso. E quando existe intensidade a gente vez ou outra se pega pensando se-fosse-eu-teria-feito-assim. É a difícil arte de convencer a si mesmo que o outro, o nome já diz, é outro, outra pessoa. Tem ações e pensamento diferentes. E, também, um amor diferente do nosso: ninguém ama igual, muito menos parecido.
Uma vez ouvi dizer que sempre tem um que ama mais. A gente precisa amar do nosso jeito, com o que tem. Nem sempre o amor é equilíbrio: o amor é a busca dele. Não precisa me amar a mais, eu não preciso te amar a menos. É que quando se ama fundo a gente tira do fundo coisas da gente. E se dá, de grátis, sem pague 2 leve 3, a gente dá tudo e o outro não paga nada. Apesar de amar tanto, não acho que eu ame mais - e não vejo mérito nenhum nisso - só acho que eu sinto mais. Meu jeito de sentir as coisas sempre foi intenso, acho que meu jeito de amar só reflete meu jeito de sentir. E eu preciso conviver com isso.
Sei que ninguém gosta de digerir decepções, ainda mais quando elas querem estapear um sentimento bonito por natureza. Mas não posso fingir que nada aconteceu, não dá para mentir pra gente mesmo. Eu, que gosto tanto do mais, esperei menos eu e mais nós. Esperei mais compreensão, consolo, carinho, cuidado. Nunca tinha me sentido sozinha, foi uma experiência reveladora, doída. Estava inserida em um contexto difícil, pelo amor de Deus, era só pensar com o coração. Eu sei que tem gente que leva tudo ao pé da letra, que também se magoa, sei que não sou fácil e quando fico magoada ou nervosa falo baboseiras. O nome diz tudo: baboseiras. Então, entra a sensibilidade de entender um momento, de deixar pra lá palavras ásperas, de fingir que não ouviu quando eu disse "não". Sei que para os homens "sim" é "sim" e "não" é "não", mas todo mundo está careca de saber que às vezes pra mim o não e o sim fazem a dança das cadeiras. Oi?
Em uma situação delicada, a gente tem que pensar menos na gente e mais no outro. Se fosse o contrário, eu teria insistido e ficado ao seu lado, independente do que foi dito. Mesmo se quisesse ficar sozinho, mesmo se tivesse dito que não queria a minha presença, mesmo que. Eu teria ido, por saber o que tudo aquilo significava pra você. Mas essa sou eu: talvez seja por isso que doa tanto.
Texto de Clarissa Corrêa

Quem decide?

Quem decide a duração da mágoa?
Infelizmente não sou eu.
É a danada da memória.

Cair em si...

"Não ter você, cair em si
Morrer de amor não é o fim, mas me acaba."
(Djavan - Cair em si)

domingo, 6 de dezembro de 2009

Meu namorado

Meu namorado...
Tem a pele que gosto.
Tem o cheiro que mereço.
Tem a química que me atrai.

Fica comigo alguns dias... noites... fins de semana.
É o homem que idealizei.
O menininho malandrinho com quem brinco.

É o homem decidido...
É a criança que chora...
É a criatura mais bela que me ama.

Seus sonhos e fantasias....são intermináveis.
É o homem que prepara meus carinhos, me faz gentilezas....
É repleto de surpresas.

Reclama pouco, me encanta.
Não ignora e está sempre atento.
É simples como gosto.
Sofisticado, quando exigem.

Não tem idade certa, pois a certeza não é necessária.
Éstá sempre abraçado a mim.....

Meu namorado, é perfeito do meu jeito.
Do seu jeito.
E ele é a parte do meu eu.

sábado, 5 de dezembro de 2009

"Quando eu olhar pro lado...


...eu quero estar cercado, só de quem me interessa."

( Só o que me interessa - Lenine)

Altar Particular

Meu bem, que hoje me pede pra apagar a luz
E pôs meu frágil coração na cruz
Do teu penoso altar particular
Sei lá, a tua ausência me causou o caos
No breu de hoje, sinto que
o tempo da cura tornou a tristeza normal
Então, tu tome tento com meu coração
Não deixe ele vir na solidão
Encabulado por voltar a sós
Depois, que o que é confuso te deixar sorrir
Tu me devolva o que tirou daqui
Que o meu peito se abre e desata os nós


Se enfim, você um dia resolver mudar
Tirar meu pobre coração do altar
Me devolver como se deve ser
Ou então, dizer que dele resolveu cuidar
Tirar da cruz e o canonizar
Digo, faço melhor do que lhe parecer
Teu cais deve ficar em algum lugar assim
Tão longe quanto eu possa ver de mim
Onde ancoraste teu veleiro em flor
Sem mais, a vida vai passando no vazio
Estou com tudo a flutuar no rio
Esperando a resposta ao que chamo de amor
Estou com tudo a flutuar no rio
Esperando a resposta ao que chamo de amor
Estou com tudo a flutuar no rio
Esperando a resposta


(Maria Gadu)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Cansei

¬¬
De verdade?
Eu não tenho paciência.
De esperar voltar ao normal.
Cansei.
Cansei.
Adriane Assis

Um dos Contos de amor rasgados

“Beije-me”, pedia ela no amor, quantas vezes aos prantos, a boca entreaberta, sentindo a língua inchar entre os dentes, de inútil desejo.
E ele, por repulsa secreta sempre profundamente negada, abstinha-se de satisfazer seu pedido, roçando apenas vagamente os lábios no pescoço e rosto. Nem se perdia em carícias, ou se ocupava de despir-lhe o corpo, logo penetrando, mais seguro no túnel das coxas do que no possível desabrigo da pálida pele possuída.
Com os anos, ela deixou de pedir. Mas não tendo deixado de desejar, decidiu afinal abandoná-lo, e a casa, sem olhar para trás, não lhe fosse demais à visão de tanto sofrimento.
Mão na maçaneta, hesitou porém. Toda a sua vida passada parecia estar naquela sala, chamando-a para um último olhar. E, lentamente, voltou à cabeça.
Sem grito ou suspiro, a começar pelos cabelos, transformou-se numa estátua de sal.
Vendo-a tão inofensivamente imóvel, tão lisa, e pura, e branca, delicada como se translúcida, ele jogou-se pela primeira vez a seus pés.
E com excitada devoção, começou a lambê-la.

(Marina Colasanti, in: Contos de Amor Rasgados)

Qual o caminho do coração?


Eu tenho idéias e razões,
Conheço a cor dos argumentos
E nunca chego aos corações.

(Fernando Pessoa)

Sexta - feira!

Em vez de chorar, o remédio é rir

video

Quero demais...


"O meu mundo não é como o dos outros,
quero demais, exijo demais;
há em mim uma sede de infinito,
uma angústia constante
que eu nem mesma compreendo,
pois estou longe de ser uma pessoa;
sou antes uma exaltada,
com uma alma intensa, violenta, atormentada,
uma alma que não se sente bem onde está,
que tem saudade…
sei lá de quê!"

(Florbela Espanca)



quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Devaneios...

Eu estou na cozinha, um vestido florido cobre minha pele macia...
Sinto o aproximar de um corpo quente. Sua mão envolve minha cintura, enquanto outra segura meu cabelo...
Meu corpo inclina em direção a pia, seus dedos acariciam meus mamilos enrigecidos...
Pouco a pouco, meu vestido já não está em meu corpo e eu sinto o suspirar excitado de suas narinas.
Uma pressão toma conta de mim...
Quando me viro, sinto o tocar de seus lábios nos meus... e sua língua circulando minha boca, depois meu pescoço, meus seios... minha virilha.
Posso sentir o umidecer e o pulsar da parte mais fervilhante do meu corpo.
Em tempo, estamos nus, com corpos suados e entrelaçados... Um movimento sublime e brusco de um vai e vem...
Um cheiro excitante...
Abraços, beijos, suor, prazer, gritos, gemidos, amor, selvageria...
Gozo.

Adriane Assis

Vontades...

Se todas as tuas noites fossem minhas
Eu te daria, a cada dia
Uma pequena caixa de palavras
Coisa que me foi dada, sigilosa
E com a dádiva nas mãos tu poderias
Compor incendiado a tua canção
E fazer de mim mesma, melodia.
Se todos os teus dias fossem meus
Eu te daria, a cada noite
O meu tempo lunar, transfigurado e rubro
E agudo se faria o gozo teu.


(Hilda Hilst)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009


Quarta- feira

Tudo que eu queria

Eu queria conseguir me desligar do mundo

Eu queria ter dinheiro agora

Eu queria poder ir embora pra casa a qualquer hora

Eu queria aprender a não esperar nada de ninguém

Eu queria dormir até tarde

Eu queria ligar o foda-se pras pessoas

Eu queria não me importar em ser chata

Eu queria não ser mimada

Eu queria uma rede

Eu queria voltar no tempo. Não, eu não queria.

Eu queria parar de pensar. Também não.

Eu queria que o meu espirro parasse

Eu queria não me importar

Eu queria cobertor

Eu queria colo

Eu queria silêncio

Eu queria esquecer...

e em alguns momentos...


...eu realmente queria sumir!


Adriane Assis

Perto da Janela...

Sentada perto da janela eu vejo...
A água da chuva caindo bem leve por cima das hortaliças...
O verde abacate das plantas toma uma cor mais viva e atraente... dá até vontade de comê-las.
O céu está escuro. Escuro não. Acinzentado.

Confesso que o aspecto não me atrái.
O cheiro de terra molhada é bom. Me faz lembrar com saudade a minha infância... quando chovia eu chupava o chão, porque achava que tinha um gosto bom, o gosto do cheiro. Sim, eu sugava todo aquele sumo que a chuva deixava.
Aaah, o cheiro! A sensação era tão boa que eu repetiria se tivesse coragem.
Enfim, perto da janela eu sinto.


Adriane Assis

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Achei, li e gostei.

http://www.releituras.com/viniciusm_grandeamor.asp

Não tem preço

Encontrar um grande amigo, ganhar carona, almoçar em casa (a comida da mamãe) depois de várias palestras... Não tem preço. O pior é voltar pra lá. =)